quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Guerras

Guerra - War
(Tribo de Jah)

Até que a filosofia
Que torna uma raça superior
E outra inferior
Seja finalmente
Permanentemente
Desacreditada e abandonada
Haverá guerra, guerra
Rumores de guerra...

Até que não haja
Jamais cidadão
De primeira e segunda classe
De qualquer nação
Até que a cor da pele
De um homem
Não tenha maior significado
Que a cor de seus olhos
Haverá guerra
Rumores de guerra...

Até que direitos iguais
Prevaleçam para todos
Sem distinção
De raça, de credo ou de cor
Haverá guerra, guerra
Rumores de guerra...

Até esse dia
O sonho da paz final
Da almejada cidadania
E o papel da moralidade
Internacional
Não serão mais
Que mera ilusão
A ser perseguida,
Mas nunca atingida
Porque haverá guerra
Rumores de guerra...

Até que os ignóbios regimes
Que mantém nossos irmãos
Oprimidos
Em condições sub-humanas
Sejam destruídos
Prá sempre banidos
Eeeeh!...

Até esse dia
Não se conhecerá a paz
A idéia e um mundo
Em harmonia
Não se dará jamais
Porque haverá guerra
Rumores de guerra
Eh!...

Guerra ao sul
Guerra ao oeste
Guerra ao norte
Guerra no leste

Haverá guerra
A guerra se alastrará
Haverá guerra...

"Guerra! Guerra! Guerrra!Rumores de guerraGuerra tribal""Babilônia em chamasFazem tribo de JahO Rappa sintoniaCalma, paz, tranquilidadePaz!"...

********

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Insegurança Feminina

Tarde da noite. Após devorar meia dúzia de bombons Lindt, uma lata de batatas Pringles, um litro de suco de soja sabor maçã e pronta para abrir a geladeira novamente, Julia resolve ligar para Leila. O telefone toca várias vezes, mas Leila não ouve, está curtindo um sonho muito interessante com o instrutor da academia. Então, assim que a ligação cai na secretária eletrônica, Julia deixa um recado desesperado: “Puxa Leila, eu aqui passando o maior perrengue e cadê você?” Desliga o telefone e, enjoada, vai vomitar no banheiro. Dez minutos depois, resolve ligar novamente para a amiga e dessa vez, após o quinto toque, ela atende:

-Alô – sussurra Leila, ainda na fronteira entre o sonho e a realidade.

-Leila? – alegra-se Julia.

-Claro, quem poderia ser?

-Oi amiga! Você estava dormindo?

-Não, estava descansando os olhos. Julia, já passa da meia-noite sabia?!

-Ah, desculpe, eu perdi a noção da hora...

-O que foi? Alguém morreu?

-Ainda não.

-O que aconteceu então?

-Nada não, eu vou ficar bem, desculpe ter acordado você, nos falamos amanhã...

-Julia querida, você já me acordou! Agora desembucha por favor!

-É que eu estou me sentindo péssimaaaaaaa...

-Por que está chorando? Aconteceu alguma coisa com o bebê?

-Não, o bebê está ótimo e muito bem alimentado aqui na minha barriga. Acabo de detonar o estoque de comida aqui de casa.

-Ufa! Você me assustou!

-É o Cláudio...

-O que tem o Cláudio? Ele não ia chegar de viagem hoje? Aliás, ele não está aí?

-Não, ele não voltouuuuu.

-Calma, pare de chorar, respire...

-Mas eu estou respirandooooo.

-Ok, agora conte-me o que aconteceu.

-Eu liguei para o Cláudio logo cedo e ele disse que não podia falar muito porque estava em uma reunião...

-Certo...

-Hoje é nosso aniversário de casamento e ele nem se deu ao trabalho de lembrar.

-É mesmo? Que estranho, ele não costuma esquecer essas datas, não é?

-Pois é, também achei estranho, mas como ele está trabalhando muito ultimamente eu resolvi ligar de novo, uma hora depois.

-E aí ele atendeu?

-Não, caiu na caixa postal.

-Hum.

-Daí esperei até a hora do almoço, liguei novamente...

-E?

-Ele atendeu, disse que estava almoçando com alguns clientes, perguntou se estava tudo bem e falou com a cara mais lavada do mundo que não voltaria hoje.

-E ele falou o motivo?

-Justificou rapidamente dizendo que surgiram alguns imprevistos lá em Curitiba e ele teria que trabalhar até mais tarde.

-Pode ser verdade.

-Imprevistos às sextas-feiras?

-E por que não?

-Duvido...e o pior veio depois...

-O que aconteceu?

-Por volta das 18h00 eu liguei novamente. Na terceira tentativa uma moça muito simpática e com a voz sensual atendeu o telefone.

-E?

-Imagine que a piranha perguntou quem eu era. Achei um absurdo, claro! Quem permitiu esse tipo de intimidade? Entãofalei “Sou a esposa dele, e você deve ser alguma amiga muito íntima para atender o telefone perguntando quem eu sou..”

-Jura que você falou assim?

-Falei...Aí rolou uma pausa...na seqüência um burburinho. Sabe quando parece que a pessoa do outro lado está cochichando alguma coisa pra alguém?

-Ahn...sei.

-Então ela disse, muito tranquila por sinal: “Desculpe se pareci intima demais querida, eu trabalho com o Cláudio, ainda não tivemos o prazer de nos conhecer. Estamos em um happy hour com a ‘turma do escritório’ e no momento seu marido está no banheiro. Posso ajudá-la?”

-E você?

-Eu não disse nada e desliguei o telefone na cara dela.

-Não acredito que você fez isso...

-Por que, você não faria o mesmo?

-Julia, qual é o problema da mulher ter atendido o celular do Cláudio? Você ligou várias vezes, provavelmente as pessoas que estavam em volta não agüentavam mais ouvir o telefone tocar...

-Primeiro, eu não acho que o Cláudio estava em nenhum happy hour. Segundo, se ele teve um imprevisto e me disse que trabalharia até tarde, o que fazia em um bar? Terceiro, ele esqueceu nosso aniversário e isso nunca aconteceu antes.

-E onde ele estava então ‘senhorita sabe-tudo’?

-O Cláudio devia estar embaixo dos lençóis com essa vadia.

-Julia, você enlouqueceu? O que faz com que você pense essas coisas?

-Várias coisas.

-Que coisas?

-Coisas que prefiro não comentar, pois como sempre você, a mulher mais segura do mundo, está achando que eu sou neurótica.

-Julia, eu não sou a mulher mais segura do mundo e não acho que você é neurótica, mas está muito sensível por causa da gravidez, é normal...

-Desde que nos conhecemos, há 20 anos, você me diz que eu sou neurótica. Você acha que eu sou neurótica não é? Pode falar a verdade, eu agüento Leila!

-Bem querida, tenho que admitir que você é um pouco sim, as vezes exageradamente, mas tudo bem, sou sua amiga, eu entendo...

-Não, você não entende. Você nunca foi casada com um cara parecido com o Rob Lowe. Nunca viu esse cara ser assediado milhares de vezes, em vários lugares, por muitas mulheres. Nunca esteve grávida e prestes a ser trocada por uma gostosona qualquer do escritório, que além de dormir com seu marido, faz questão de atender o telefone dele, só pra você ter certeza de que ele tem uma amante e que essa amante é ela.

-É impressão minha ou você realmente está falando sério?

-Claro que estou falando sério, sérissimo! É a segunda vez esse mês que o Cláudio vai para Curitiba.

-Julia, eu sinceramente não acredito que o Cláudio esteja traindo você. Aposto que depois de sua total falta de bom senso em ter sido tão grossa com a moça e ainda por cima ter desligado o telefone na cara dele, seu marido, com toda a paciência do mundo, retornou a ligação. Não foi?

-Não, não foi.

-Não?

-Não, eu liguei novamente, depois de 20 minutos e o celular estava na caixa postal.

-Bem, de repente o celular estava fora de área.

-Ah, me poupe Leila!


De repente Julia ouve um barulho na porta.


-Leila, como se não bastasse sentir a “galhada” crescendo na minha cabeça acho que estou prestes a ser assaltada....

-Ahn? Como assim?

-Ouvi um barulho na porta...

-Tem certeza?

-Se eu não ligar daqui a cinco minutos chame a polícia. Tchau!


Cláudio entra sorrateiramente no quarto, com um buquê de rosas e uma linda caixinha dourada.


-Olá querida, que bom que ainda está acordada! – joga-se na cama

-Puxa Cláudio, você me assustou! O que está fazendo aqui? Você disse que voltaria amanhã.

-Eu queria fazer uma surpresa meu amor...o vôo atrasou um pouco...você achou que eu esqueceria nosso aniversário?!

-Então você não esqueceu?

-Claro que não, só se eu fosse um imbecil insensível, não é?

-Não querido, eu nunca pensaria isso! É que eu mal consegui falar com você o dia todo e... =pareceu que você estava atolado de trabalho...

-Entendo...e depois uma moça atendeu o telefone e você ficou furiosa.

-Quem? Eu? Ela disse isso? Por que eu ficaria furiosa? Ela deve ser...deve ser...alguma colega do escritório?

-Mais do que isso...

-Ahn? Como assim? Não me diga que vocês, quer dizer, que ela...

-Ela é a nova diretora de marketing da empresa, ou seja, minha chefe. Dei uma passada no bar antes de ir para o Aeroporto só para fazer uma média, sabe como é... Espero que você tenha sido simpática com ela. Acredito que a ligação tenha...Caído?
-Cla...claro...justamente...a ligação caiu.

-Bom, menos mal... Você está feliz? Comprei isso para você.

-Um colar? Que lindo amor!

-Vou tomar um banho e já volto, ok?

-Ok, tá, tudo bem...
-Você está bem? Parece nervosa.
-Estou ótima, acho que são os hormônios...
Então, Julia espera Cláudio entrar no banheiro, pega o telefone e liga novamente para Leila:


-Leila?

-Oi Julia, e aí?

-Era o Cláudio, ele voltou.

-Voltou? Mas não disse que voltaria só amanhã?

-Sim, mas queria fazer uma surpresa.

-Viu só como você é neurótica? Aposto que está arrependida em imaginar todas aquelas coisas horríveis...

-É...pois é, devo ser neurótica mesmo.

-E a mulher que atendeu o telefone?

(Silêncio)

-Julia, você está aí?

-Estou sim.

-E então, e a mulher?

-O problema é que...bem...ela é a chefe dele...
(Esse texto é de Luciana Sanches do blog "Textos, Tropeços e Pensamentos Quixotescos" http://domquixotefemea.blogspot.com/)

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

"O pierrot apaixonado chora pelo amor da colombina"

Quanto tempo sem escrever... só rabiscos, artigos e projetos... isso ainda vai me matar...
E chego a dizer que escrever no meu caso é uma necessidade, palavras ao vento não tem tanto significado como o registro, isso já foi dito antes, mas neste caso um plágio é bem vindo.

2008 iniciou com uma gripe que é herança do ano que passou, mas mesmo assim foi uma boa virada, com direito a juras e resoluções... enfim mais um ano tentando....

E como uma boa brasileira já estou pensando no carnaval, só de imaginar que o único feriado de janeiro é no dia 1°, dói. Que mês carente!
Voltando ao Carnaval, data memorável... é neste período do ano que renovo as forças para suportar os embates do dia-a-dia, digo que nesta época uma magia toma conta de todos, a música flui como a respiração, o sorriso é constante e tudo é motivo para festa...
Sem contar os espetáculos das escolas de samba, os frevos de Olinda, o Tambor de Crioula do Maranhão, os trios elétricos da Bahia, os blocos com nomes engraçados, os foliões que esquecem o nome, o endereço, o estado civil...

Mas sou apaixonada por três figuras da *commedia dell'arte que sempre retornam no carnaval: Pierrot, Colombina e Arlequim, três mascarados que constituem um triângulo amoroso durante a festa.
Arlequim era o rival de Pierrot pelo amor de Colombina e se vestia com um traje feito de retalhos triangulares de várias cores e representa o palhaço, farsante ou tão somente o amante. Pierrot, magro, pálido representante dos sonhos, apaixonado pelo amor, tem como musa Colombina, mulher que representa o desejo de todos os homens. Eles se conhecem em ocasiões separadas e Colombina se enamora pelos dois rapazes... No caso do Arlequim se encantando pela sua ousadia e desejo, e no de Pierrot pelo seu sofrimento e amor platônico.
Até hoje seus personagens são conhecidos e utilizados no Carnaval de Veneza.

Todo o romance encontra-se no o texto de Menotti Del Picchia. Recomendo!

* Comédia Dell'Arte: Forma teatral única no mundo, desenvolveu-se na Itália no XVI século e difundiu-se em toda Europa nos séculos sucessivos, a Commedia dell’arte contribuiu na construção do teatro moderno.Teatro espetacular baseado na improvisação e no uso de máscaras e personagens estereotipados..

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Melhor que ser perfeitinha é ser imitável!


"Ode à Bunda dura

Tenho horror a mulher perfeitinha. Odeio qualquer uma que fique maravilhosa num biquíni. Sabe aquele tipo que faz escova toda manhã, está sempre na moda e é tão sorridente que parece garotapropaganda de processo de clareamento dentário? E, só pra piorar, tem a bunda dura feito pão francês com mais de uma semana? Pois então, mulheres assim são um porre. E digo mais: são brochantes.

Você, homem, dirá que estou louca, sou despeitada e, provavelmente, baranga. Na boa, pense o que quiser, mas posso provar minha tese com grande tranqüilidade, ponto a ponto. Quer ver?

> A dondoca faz escova toda manhã: fulaninha acorda às 6 da matina pra deixar o cabelo parecido com o da Patrícia de Sabrit, liso feito pau de sebo e à prova de furacão e Katrinas. Nisso, ela perde momentos imprescindíveis de rolamento na cama, encoxamento do namorado, pegação, pra encaixar-se no padrão "Alisabel é que é legal". Burra.

> A fofucha anda impecavelmente na moda, o que significa igual a todas as amigas: estilo pessoal, pra ela, é o que aparece nos anúncios da revista da Daslu. Você vê-la de shortinho, camiseta surrada e cabelo preso? JAMAIS! O que indica uma coisa: ela não vai querer ficar desarrumada nem enquanto estiver transando. É capaz até de fazer pose em busca do melhor ângulo perante o espelho do quarto. Credo.

HEBE COVER

> A lindinha exibe um sorriso incessante: ela mora na vila dos Smurfs? Está fazendo treinamento pra Hebe? Sou antipática com orgulho - só sorrio para quem provoca meu sorriso. Não gostou? Problema seu. Isso se chama autenticidade, meu caro. Coisa que, pra perfeitinha, não existe. Aliás, ela nem sabe o que a palavra significa. Coitada.

> A queridona tem a bunda pétrea: as muito gostosas são, infalivelmente, muito chatas. Pra manter aquele corpão, comem alface e tomam isotônico, portanto não vão acompanhá-lo nos pasteizinhos nem na porção de bolinho de arroz do sabadão. Bebida dá barriga e ela tem HORROR a qualquer carninha saindo da calça de cintura tão baixa que o cós acaba onde começa a pornografia: nada de tomar um bom vinho ou encarar uma pizza de mussarela. Cerveja? Esquece! Melhor convidar o Jorjão.

Pois é, ela é um tesão. Mas não curte sexo porque desglamouriza, se veste feito um manequim de vitrine, acha inadmissível você apalpar a bunda dela em público, nunca toma porre e só sabe contar até 15, que é até onde chega a seqüência de bíceps e tríceps. E você reparou naquela bunda? Meu Deus...

Legal mesmo é mulher de verdade. E daí se ela tem celulite? O senso de humor compensa. Pode ter uns quilinhos a mais (geralmente eles só existem na opinião dela), mas é uma ótima companheira de bebedeira. Pode até ser meio mal-educada quando você larga a cueca no meio da sala, mas adora sexo. Porque celulite, gordurinhas e desorganização têm solução (e, às vezes, nem chegam a ser um problema). Mas ainda não criaram um remédio pra futilidade. Nem pra dela, nem pra sua."
(Texto MARAVILHOSO de Ailin Aleixo, e imagens do site Megeras Magérrimas http://www.magerrimas.blogger.com.br/2004_01_01_archive.html#20208378)

domingo, 11 de novembro de 2007

MEUS SECRETOS AMIGOS


Dias complicados... bem difíceis mesmo, um pouco de tristeza, regado com decepção e um tanto considerável de frustração... estou a duas horas na frente do computador pensando em falar dos infortúnios vividos em meus “21 aninhos”..., pensando em atribuir parte da culpa a “Dona da História” (eu) e outro tanto a Deus, destino, acaso... esses que ninguém ver mas no final são sempre responsabilizados... porém, lembrando que não suporto lamentações e não cultivo sentimento de pena por ninguém, não pretendo que isso ocorra comigo, mas tinha que atualizar esse blogger recém nascido e com morte prematura quase que estabelecida. Pensei um pouco e lembrei que neste período, em nenhum momento fiquei só, estou triste, mas não sozinha... e associei a isso imediatamente as pessoas maravilhosas que estão ao meu lado, que se indignaram, me deram colo e me fizeram rir... e para eles dedico minhas duas horas e alguns minutos de hoje, todos os dias que já se foram e todos que ainda estão por vir...


MEUS SECRETOS AMIGOS
Paulo Sant'Ana

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.

A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências...

A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.

Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.

Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo! Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.

Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer...

Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!

sábado, 3 de novembro de 2007

“Só para louco, só para raros.”




Vocês conhecem o "Teatro Mágico"?!!!

“Só para louco, só para raros.”

Eles têm um som muito bom, descobri lendo algumas criticas...
O Teatro Mágico: Entrada para Raros..." é um projeto musical que reúne elementos do teatro, do circo, da poesia, da dança, da literatura e do cancioneiro popular tornando possível a junção de diferentes segmentos artísticos num mesmo palco - seja com a presença de trapezistas, atrizes, poetas, malabaristas, monociclos, perna-de-pau e até pirofagia. A maquiagem e o figurino clown dos músicos trazem à tona a idéia do “personagem interno” escondido em cada um de nós. As canções do Teatro mágico - quase todas de autoria de Fernando Anitelli - falam das situações do cotidiano, das impressões sobre o dia-a-dia, do olhar da gente sobre o outro e sobre o mundo. E assim temos a história do mar que se apaixona por uma menina, a sereia sentada na pedra mais alta e a sorte vinda num realejo!!

BAIXEM TODAS AS MÚSICAS DO TM...




Vai ai uma das melhores...

Ana e o Mar

Veio de manhã molhar os pés na primeira onda
Abriu os braços devagar e se entregou ao vento
O sol veio avisar que de noite ele seria a lua,
Pra poder iluminar Ana, o céu e o mar
Sol e vento, dia de casamento
Vento e sol, luz apagada no farol
Sol e chuva, casamento de viúva
Chuva e sol, casamento de espanhol

Ana aproveitava os carinhos do mundo
Os quatro elementos de tudo
Deitada diante do mar
Que apaixonado entregava as conchas mais belas

Tesouros de barcos e velas
Que o tempo não deixou voltar
Onde já se viu o mar apaixonado por uma menina?
Quem já conseguiu dominar o amor?

Por que é que o mar não se apaixona por uma lagoa?
Porque a gente nunca sabe de quem vai gostar
Ana e o mar... mar e Ana
Histórias que nos contam na cama
Antes da gente dormir
Ana e o mar... mar e Ana
Todo sopro que apaga uma chama
Reacende o que for pra ficar

Quando Ana entra n'água
O sorriso do mar drugada se estende pro resto do mundo
Abençoando ondas cada vez mais altas
Barcos com suas rotas e as conchas que vem avisar
Desse novo amor... Ana e o mar

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Campanha contra homofobia gera polêmica na Itália


O governo da região Toscana causou polêmica na Itália ao lançar uma campanha com uma foto fora de foco de um bebê recém-nascido que tem na mão esquerda uma pulseira com a palavra homossexual ao invés do nome e a frase "Orientação sexual não é uma escolha".Lideranças gays apóiam a iniciativa, mas políticos da direita italiana descreveram a campanha como fascista. "Queremos combater a discriminação contra gays, lésbicas e transexuais, dizendo que a origem da homossexualidade, seja ela genética ou social, não é uma escolha", afirmou Alessio de Giorgi, conselheiro da Região Toscana Contra a Discriminação Sexual, em entrevista à BBC Brasil."Usamos a imagem de um bebê para que as mães possam levar em consideração a possibilidade de que os filhos que carregam no ventre podem ser homossexuais", acrescentou. "É importante que as mães pensem numa educação sem preconceitos, para evitar problemas afetivos ou eróticos futuros."De Giorgi diz que esse não é um projeto isolado. Ele lembra que a região da Toscana, onde está a cidade de Florença, foi a primeira na Itália a aprovar uma lei, em 2004, contra a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero."A nova campanha contra a discriminação sexual e a homofobia está na vanguarda no panorama da defesa dos direitos humanos de qualquer cidadão", afirmou Aurelio Mancuso, presidente da Associação Nacional dos Gays Italianos. "Lutar contra a homofobia para superar os muros ideológicos é sinal de uma sociedade mais justa, serena e pacífica", disse Mancuso. "A mensagem é quase evangélica e será um dever moral e ético de cada bom cristão saber que as pessoas nascem e não se tornam homossexuais."
Regime fascista
Contrário ao material publicitário, o senador Massimo Polledri, da Liga Norte (partido da extrema-direita), pediu que a região Toscana retire imediatamente todo o material de comunicação, que considera uma propaganda semelhante a adotada pelo regime fascista."Usar recém-nascidos para passar a idéia de que o homossexualismo é uma característica nata dos bebês é um ato vergonhoso", disse o deputado Luca Volonté.A parlamentar Isabella Bertolini protestou com argumentos semelhantes. "Para afirmar um modelo alternativo de sociedade, em que predomina a indeterminação sexual, a região da Toscana não hesita em utilizar um recém-nascido de modo instrumental e ideológico."Mancuso, no entanto, defende que toda a Itália siga o exemplo da Toscana em suas campanhas de comunicação. Franco Grillini, deputado socialista e presidente honorário da Associação Nacional dos Gays Italianos, também é favorável ao governo toscano."É uma campanha corajosa", afirmou. "A Toscana se confirma na liderança da defesa dos direitos dos gays, lésbicas e transexuais e também da política da diversidade."
Enquanto isso no Brasil...

Madrugada de sábado, 11 de fevereiro de 2007, ALI estava voltando da rua para sua casa com alguns amigos, passando pela Rua da Consolação, nos Jardins - inquestionávelmente, o reduto gay da cidade de São Paulo - à 100m da Av. Paulista, quase na esquina da Alameda Santos, quando foi cruelmente atacado por um bando de mais ou menos dez caras, armados de cacos de garrafas em suas mãos.
Os covardes em questão trajavam preto, como cavaleiros da morte, e traziam consigo todo o ódio do mundo. Por quê? Talvez porque não tenham a coragem que ALI tem de encarar a vida, talvez porque não tenham a inteligência e sensibilidade de ALI, ou talvez ainda, porque para eles deva ser divertido espancar um ser vivo até quase matá-lo. Apenas diversão para terminar bem a noite. Pobres desalmados! Pobre ALI...
Vendo seu amigo sendo atacado, mais que rapidamente, seus companheiros se dirigiram a poucos passos de onde a agressão acontecia, onde havia uma guarita da Polícia Militar. No entanto, qual foi a supresa dos amigos de ALI ao descobrir que, sendo a polícia solicitada para ajudar, estes se omitiram perante à situação apresentada com a justificativa de que "aquela região não era sua jurisdição"!
Que eficiência! Que humanidade!! Que presteza!!! Então, para a Polícia Militar ajudar ao cidadão em perigo, é necessário checar se este está na jurisdição na qual os mesmos policiais se encontram? O que faziam estes policiais ali, então, fora de sua jurisdição? Estavam "matando" trabalho? Ora, se cada policial tem sua jurisdição, onde estariam os policiais da jurisdição correspondente ao lugar onde o crime acontecia?? Não poderiam estes policiais que estão fora de sua jurisdição, comunicar-se via rádio com outros policiais que pudessem prestar socorro ao rapaz sendo covardemente espancado na calçada na frente de seus narizes? Se o dever dessas autoridades é defender o cidadão indefeso, como descrever o paradoxo desta situação?? Faltam-me palavras...
Os amigos de ALI voltaram em seu socorro e o encontraram jogado, inconsciente, na calçada, com seu maxilar e seus dentes quebrados, com o corpo completamente ferido. Imediatamente, o levaram para o Hospital das Clínicas, onde a foto foi tirada.
(Fabricio Mardegan)
ALI tem 39 anos de idade, é filósofo, um estudioso da raça humana, professor de uma faculdade em São Paulo e, também, escritor. ALI é um cara tranqüilo, sereno, que ama a vida, ama seus amigos. ALI é uma pessoa muito pacífica, ao ponto de ser incapaz de fazer mal à uma mosca. No entanto, ALI tem uma particularidade, que o torna quase singular em comparação à maioria da população: ele é gay. Mas isso não faz dele menos ALI! Ele continua sendo o mesmo cara gente fina de sempre! A única diferença é que ele prefere, entre quatro paredes, estar com meninos ao invés de meninas. Algum mal nisso? Creio que não, já que cada um faz com sua vida particular o que bem entender desde que não prejudique a outrem. Isso é o que podemos chamar de RESPEITO pela diversidade. Todavia, em pleno século XXI, ainda tem gente que acha que os gays não são dignos de respeito...
Não posso dizer que estou surpresa. Do mesmo jeito que se diz que não existe racismo no Brasil, essa tolerância em relação aos homossexuais é falsa, superficial. .